Andrew Koyna

      Andrew iniciou sua jornada artistica com o despertar do movimento psicodélico na Inglaterra de 1990. Acompanhou a repressão do governo com surgimento do Acid House e seu desdobramento underground como o “Festival do Castelo Morton”, onde milhares de ravers iniciaram uma grande festa ilegal de cinco dias. Ao lado da Inglaterra viu nascer sons como: Spiral Tribe, D.Y.Y. e Circulus Warp.

     A experiencia extatica causada por esta nova música o levou a iniciar sua jornada pela Europa e Oriente Médio, onde absorveu diversos tipos de linguagem. Seu trabalho inicia na Itália carregando elementos mais robóticos, inspirado por uma tecnovilla de escultores de carro de soldagem chamada “Mutoid Waste Company”. Passando por Israel e finalmente Goa em 1994, encantado pelo movimento psytrance, Andrew começa a pintar seus primeiros backdrops para festas.

    Em 1995 ele chega no Rio de Janeiro, onde inicia paineis de mandalas . Era o início do psytrance no Brasil, onde começou a decorar festivais do início da cena psicodélica como: Trancefusion, Euphoria, Rave On, entre outros.